Todos estão a meu redor e eu vejo-os...mas não os sinto.

Sábado, 15 de Março de 2014
Quando vais parar de te massacrar, de perseguir o teu ser, de te fazer sofrer?
Quando vais olhar aquele espelho baço de cantos partidos com armações de ferro forjado e perceber que sangras?
Porque insistes em pegar nesses cacos de janelas quebradas que sempre que deixas cair e sempre que voltas a pegar te cortam mais e mais fundo?
E eu aqui, espectadora, já desisti de me ajoelhar a teu lado e arrancar-te a essa dor, porque me corta fundo também e não sei onde mais ir buscar forças para te ajudar a levantar...porque não sei se queres ou se podes.
Porque há coisas que, se calhar, são mesmo assim, e se forem, meu amor, só te posso prometer estar enquanto a minha própria dor aguentar.
publicado por marisa.moreno às 20:09
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2013

 

 

" A esta altura do campeonato já não interessa quem perdeu ou quem se perdeu. Perdeu-se. E isso sim é que deveria ser importante. Não eu ou tu ou nós mas...eles...os que nos rodeiam e que nos acompanham é que perderam. Perderam a partir do momento em que nós nos perdemos e não sabemos qual o rumo a tomar novamente. Em vez de levar as coisas até aqui por orgulho deveríamos ter escolhido o melhor caminho a tomar para não magoar quem amamos."

publicado por marisa.moreno às 19:41
link do post | comentar | favorito

 

 

 

Um bilhete de um suicida é um escrito que poucos entendem e que a todos atinge. A culpa não é tua nem minha nem de ninguém, então ele escreveu "

 

Gostava de ser mais e melhor.

Gostava de acreditar no impossivel e de o tentar.

Gostavade amar e, sem consequências, questões ou regras, ser amado.

Estou preso na minha própria mente e corpo. Já nem os comprimidos chegam para a dor que volta sempre. Já nem

é dormência, é realmente dor.

O corpo esfria e a alma endurece. As palavras explodem e o sentimento desaparece...não sei onde me deixei ficar, mas fiquei.".

 

Depois todos pegamos nesse pedaço de papel procurando respostas. Procurando a nossa culpa. " Porque não fiz mais. porque não estive lá. Ele pediu. Eu não quis ouvir. ". O suicidio é a forma mais egoísta de dizermos aos outros que não os amamos.

publicado por marisa.moreno às 19:26
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

 

Serenidade foi o que me trouxeste.

Numas mãos trémulas de tanto tas morderem.

Alimentaste as bocas erradas.

Agora és tu o faminto.

 

Serenidade me dás.

Com um olhar tanto disseste.

Encontro em mim preocupação.

Encontro em ti meu coração.

 

Com serenidade me venceste.

Minha alma ganhaste sem me tentar conquistar.

Parto alegre à descoberta do que tanto repudiei.

 

Nessa serenidade tratas de mim.

Nessa serenidade de ti cuido.

E juntos serenamente nos curaremos.

 

Serenidade de peregrina tua.

Sem saber o que encontraria.

Conheces o saber da lua.

Mas outro saber por vezes te contraria.

publicado por marisa.moreno às 16:50
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 21 de Novembro de 2012

 

 

Não tenhas medo de me perder

Agora que me encontraste

Não te aproximes tanto assim

Se de seguida te afastares

 

Não te quero prender

Muito menos ser presa

Quero amar-te sem grilhões

Sem cadeados ou fechaduras

 

Quero tanto entrar no teu mundo

Compreender a tua mente

Perceber se sou correspondida

Ou se sou mais uma simplesmente.

 

Tanto bem que me fazes

Mas dói quando mal a ti fazes

Ouço o som do nosso silêncio.

Quieta, sem lágrimas.

 

Não tenhas medo de me perder

Agora que me encontraste.

 

 

publicado por marisa.moreno às 20:17
link do post | comentar | favorito

 

 

Não sei se por teres nome de anjo,

Se por teres olhar de animal enjeitado

Aguardando seu dono,

Mas naquele dia eu vi,

Vi no teu olhar que nos pertenciamos.

 

E agora arrisco-me e arrisco tudo

Nesta roleta russa que é a vida.

Arrisco o que conheço em troca da aventura.

 

Imagino nos meus sonhos e pensamentos

Como será o teu mundo?

Como é estar na tua cabeça?

Qual será o teu passado?

Que vês tu em mim?

E se entro e me pões fora?

Já não importa.

Nunca importou.

 

E assim voltei a sorrir

A aventura do Amor volta a aguardar-me.

Agora que já sei que o verdadeiro Amor

Não prende. Não dói.

 

 

publicado por marisa.moreno às 20:03
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20 de Novembro de 2012

 

 

Foi-se embora a minha vida.

Juntamente com o teu silêncio.

Minhas lágrimas são sem sal

Tal com o meu sangue é frio.

 

Já não tenho vontade de viver.

Já não tenho porquê de ficar.

Já não tenho vontade de voltar.

 

Minha alma não existe.

Meu corpo não resiste.

Já não quero respirar.

 

Foi-se embora a minha vida.

Juntamente com o teu sorriso.

Meu querer é inexistente.

Tal como o  meu pensar é transparente.

 

Já não tenho vontade de gritar.

Já não tenho porquê de me alegrar.

Já não tenho vontade de amar.

 

Minha alma já não cresce.

Meu corpo já não sente.

Já não te quero olhar.

 

Foi-se embora a minha vida.

Juntamente com a tua.

 

Minhas lágrimas secaram

Tal como meu sangue.

 

Já não quero viver.

Já não qureo voltar.

 

Foi-se embora a minha vida.

Juntamente com a tua.

 

publicado por marisa.moreno às 19:41
link do post | comentar | favorito

 

 

E de repente tenho o armário vazio

Cheio de coisas e um coração cheio de Amor.

 

Amor este que me rói

E se enrosca na água dos meus olhos

Poque o coração dói

E a cabeça não.

 

As cores tornam-se vivas

E com elas as emoções.

Todo o meu corpo lateja

De dores e contrações.

 

Não me fazes falta.

De repente.

E de repente não me fazes falta.

 

Arrancaste-me tudo

Fizeste-me dor.

 

Arrancaste-me tudo.

As coisas, as músicas, as vontades

Tudo.

Menos as verdades.

publicado por marisa.moreno às 19:32
link do post | comentar | favorito

Sábado, 15 de Setembro de 2012

 

 

Finalmente respiro.

Não há liberdade para quem me manteve enclausurada.

Consigo ver, consigo sentir.

 

Há na pele dos outros algo que me aquece.

Que me arrepia e faz arder.

 

Finalmente acordei.

Não há amor nem odio para quem me matou.

Consigo dormir, consigo adormecer.

 

Há nas lágrimas dos outros algo que me faz sorrir.

Que me faz desejar e apetecer.

 

Finalmente de ti me libertei.

Não há vida para quem morreu.

Consigo sorrir, consigo tocar.

 

Há na vida dos outros algo que me intriga.

Que me faz correr e acreditar.

 

Finalmente sobrevivi.

Não há felicidade para quem me abandonou.

Consigo viver.

 

publicado por marisa.moreno às 14:39
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 10 de Abril de 2012

  

 

 

Na eventualidade de conseguir que o marido fizesse amor com ela nessa noite de semana vestiu a sua lingerie mais sexy, vermelho sangue, até a depilação fez como ele gosta. Apesar da irritação na pele ela colocou muita nivea para acalmar. A pele. Ela estava nervosissima...parecia a sua primeira vez. Acendeu uma vela porque ele odeia incenso. Entretanto a vela acabou e deixou aquele cheiro nauseabundo de Igreja. Pensou para consigo: " Que tolice, este romantismo todo inventado por não sei quem...o meu ponto G principal é o meu cérebro...e com esta dor de cabeça por causa da merda da vela não há cérebro que resista...até o comprimido fazer efeito ou ele já se veio e eu nem por isso ou então já adormeci por estar tanto tempo à espera qe ele largue o computador e facebook...que se foda o romantismo mais à vela..." e foi dormir depois de tomar um dafalgan codeína.

publicado por marisa.moreno às 04:26
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


arquivos
2014

2013

2012

2011

2010

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro